Congregação Passionista

CONGREGAÇÃO PASSIONISTA

A conhecida Congregação dos Passionistas, oficialmente se chama Congregação da Paixão de Jesus Cristo. Seu fundador é São Paulo da Cruz (1694-1775). Ela é originária da Itália. Seus religiosos são conhecidos como “passionistas”. O nome procede da palavra latina “passio”, cuja tradução em português é “paixão”.

De imediato, a palavra “paixão” pode evocar o sofrimento sem medida pelo qual Jesus passou. Todavia, encarando-a com maior profundidade, nota-se que na origem de tudo está, como fonte, um amor sem medida, um amor de “apaixonado”. Isto está comprovado em Rm 5,6-11. Na referida passagem é dito que, quando a humanidade era merecedora do exterminador ódio divino, o Pai a amou de tal modo, que por ela não poupando o seu Filho.

Por sua vez, o Filho, à imagem do Pai, não se poupou a si mesmo, amando os seres humanos até o fim (Jo 13,1).

Então, o centro agregador, vitalizador e irradiador da Congregação Passionista, é a Paixão de Jesus. Para o Santo Fundador, a Paixão de Jesus é a maior manifestação do amor divino em prol da humanidade. E a humanidade continua carente de amor, do verdadeiro amor, o que leva dar a vida para o próximo (Jo 15,12-13).

Paulo da Cruz que entre os anos 1720-1724 pensou e deu os passos necessários para fundar a Congregação dos Pobres de Jesus, cuja finalidade era irradiar o Temor de Deus. A partir dos meados de 1724 deu o verdadeiro salto qualitativo e assim começou a surgir a Congregação da Paixão de Jesus que hoje se faz presente nos cinco Continentes (em torno de 60 países).

A sede da Congregação está em Roma e o Superior Geral é o Pe. Joachim Rego, nascido em Mianmar. A Congregação está subdividida em Províncias (autônomas) e Vicariatos (dependentes). As Províncias e Vicariatos, por sua vez, estão agrupadas em 6 grandes blocos – chamados de Configurações.

No Brasil, os Religiosos Passionistas se congregam em dois grandes grupos constituindo a Província Getsêmani (que engloba parte do Brasil, Uruguai e Argentina) e a da Exaltação da Santa Cruz (Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Goiás). Membros da primeira que estão presentes no Rio Grande do Sul, S, Catarina, Paraná, S. Paulo, Rio de Janeiro, Paraíba e Moçambique, se confraternizam e servem nesta Paróquia de S. Sebastião, Diocese de S. Carlos.

A Congregação faz parte de uma grande Família da qual fazem parte as Monjas, também fundadas pelo Santo, vários ramos de Irmãs que se dedicam às atividades apostólicas, o Instituto Missionário Secular da Paixão (leigos, leigas, casais) que se consagram com os mesmos votos. Há Leigos Passionistas organizados em grupos ou não que vivem o mesmo carisma. De há muito, existe, em alguns lugares, a Confraria da Paixão. Surge, agora a Fraternidade Passionista de Ordenados Diocesanos.

A esse grupo é de se somar Leigos e Leigos que, sobremaneira nas Paróquias Passionistas, vivem o carisma passiológico que é da Igreja. Mesmo sendo eclesial, alguns o assumem com voto e outros, não. O importante é que, todos congregados ante o Crucificado, todos querem viver e irradiar o amor apaixonado revelado pelo Crucificado para que, num mundo marcado pelo desamor, pelo ódio, pela segregação, acolha a fraternidade, concretizando, assim, o projeto de Cristo: “quando eu for elevado eu atrairei todos a mim”(Jo 12,31-33).

Parte da Família Passionista já está na comunhão definitiva (1Cor 15,28), como o Santo Fundador S. Paulo da Cruz, S. Vicente Maria Strambi, S. Gabriel de Nossa Senhora das Dores, S. Inácio Canoura, S. Carlos Houbem, S. Maria Goretti. Parte, porém, luta na pátria terrena para que amor tão sublime, seja vivenciado e irradiado na face da terra.